{Café com autores} - Georgiana Calimeris



É com enorme carinho que hoje trago a vocês um pouquinho sobre Georgiana Calimeris mais conhecida como Nana, autora de Luz de la MañanaGabs e AnnaCores de SabrinaAnima liber,  e recentemente lançou sua mais nova obra A biblioteca de Alexandria, e logicamente que logo mais iremos publicar uma resenha aqui no blog.





Biografia:

Georgiana Calimeris autora brasileira que logo cedo se apaixonou pela literatura, quando fez 18 anos escreveu sua primeira obra e nunca mais parou, e assim foram mais de 20 anos produzindo.












L&S: Quando perceberam que o seu destino era ser escritora?

GEORGIANA: Quando li Fernão Capelo Gaivota e quis fazer algo com as palavras. O livro me ajudou e queria fazer o mesmo pelas pessoas, que minhas palavras fossem de conforto ao contar uma história.

L&S: De onde vem os personagens? De alguma forma se relacionam com alguém que conhecem?

GEORGIANA: Alguns vem em sonhos. Outros vem de situações. Não sei precisar. Mas, diria que são todos facetas de mim mesma, que vem do inconsciente seja por conta de um desejo não realizado seja porque preciso matar uma pessoa na alma.

L&S: Qual o seu livro e autor favorito? Guiam-se por eles na escrita de seus livros?

GEORGIANA: Só um? Caramba, tem tanta gente e tantos livros. Mas, com certeza, um que me marcou muito foi História sem fim. Vou ser bem clichê quanto a autor. Gosto muito de Neil Gaiman. Não muito. Li em um artigo recentemente que Tolkien só podia escrever como Tolkien e que deveríamos escrever como nós mesmos porque apenas nós podemos contar as histórias que estão com a gente. Ou seja, só posso ser a melhor Georgiana Calimeris possível.

L&S:Enquanto esta  escrevendo, partilham a história com alguém para pedir conselhos?

GEORGIANA: Tive uma experiência bem desagradável há alguns meses e me travou. Nunca mais faço isso.

L&S:Quanto tempo demorou a escrever seu livro?

GEORGIANA: Depende. Teve um livro que esperou 25 anos para ficar pronto. A biblioteca de Alexandria levou uma semana, mas ela já existia há anos.

L&S:Qual é a história dos  seus livros ?

GEORGIANA: Ai, meus Deuses! São muitas histórias.

L&S: Como surgiu a ideia de produzir o seu primeiro livro?

GEORGIANA: O primeiro? Não lembro. Tem uns 25 anos que isso aconteceu. O mais recente, que é o projeto atual veio de uma viagem que fiz com meu irmão. A biblioteca de Alexandria veio por causa de 4 sonhos. Uma noveleta chamada O amor e uma revolução também veio de um sonho que teve 3 partes. Dormi a primeira noite, acordei e quando dormi, o sonho continuou de onde tinha parado como se eu tivesse feito uma pausa no filme. Daí, veio a terceira parte.

L&S:Alguma personagem tem um pouco mais da sua personalidade? Qual?

GEORGIANA: Acredito que todas são um pedaço de mim. Alguém que eu gostaria de ser, alguém que eu fui, alguém que eu poderia ter sido. Acredito que é a força do inconsciente que nos move para contar histórias e por consequência nós somos o amontoado de personagens que surgem. Se for falar a que mais tem algo de mim seria Angelique Duncan.

L&S: Você sempre foi escritora? Como surgiu a vontade de escrever profissionalmente?

GEORGIANA: Acredito que sim. Foi a vontade de trabalhar com escrita que me levou ao jornalismo. Desde que fiz o primeiro livro.

 L&S: Qual foi a maior dificuldade encontrada ao escrever os livros?

GEORGIANA: Não parar. Eu tenho um problema. Quando começo uma história, eu tenho que fechar capítulos ou chegar até o fim o mais rápido possível. Então, eu tenho dificuldade de parar de escrever.

L&S: Quais dicas você dá para quem quer iniciar a carreira de escritora?
GEORGIANA: Estude. Conheça a língua portuguesa. Leia muitos livros mesmo aqueles que você não gosta. Crie repertório. Mais uma vez, estude.

 L&S: Quais são os amores e as dores dessa profissão?
GEORGIANA: Os amores... são poder fazer tudo, ser quem quiser, sair do mundo enquanto se cria uma história. As dores? Frustração quando recebemos um não, uma crítica virulenta ou mesmo alguma benéfica. Acredito que, como artistas, desnudamos a alma na arte. Não há roupa, não há como esconder nada. As palavras dizem quem somos mesmo que não nos apercebamos disso. Elas mostram nossa essência. Acredito que alguém que não sangra, chora e sofre por sua obra ainda não está pronto para ser lido. O artista é feito das cicatrizes da vida. São elas que permitem tornar o feio em poesia.








Que doce de pessoa, foi um prazer conversar com a  Nana, deixo aqui neste poste um enorme abraço a ela e desejo toda a sorte do mundo com seus trabalhos, nós aqui do blog deixamos as portas abertas a ela.




Crédito das fotos: Marcia S. Moreira




{Divagando} - Meu vicio!









Eu tenho um problema e talvez seja o seu também, esse problema acabou virando meu vicio, um vicio que acaba com o meu dinheiro e abala meu psicológico, esse vicio que me faz ser arrastada em direções diversas para te encontrar, esse vicio que me faz feliz e me leva a viajar por dimensões países e corpos diferentes, essa vontade louca que tenho de sentir o seu cheiro, a mania louca de te chamar de "meu bebê", o motivo de noites em claro por sempre querer mais um pouco, e mesmo que as vezes eu xingue você por não fazer aquilo que eu esperava meu amor não muda, esse vicio que tenho em você me consome como fogo, seu nome está gravado a brasa em meu coração, em minha mente só sabe repetir o seu nome vezes e vezes incontáveis. Esse vicio é mais do que posso dizer em palavras é um amor incontrolável por livros.


  


















{Dicas da A. B. Kingsley} - Como ter ideias para o seu livro!

Mais um vídeo desta linda <3 Confiram e não esqueçam de inscrever-se no canal dela galera !





REFERÊNCIAS - Canal da A. B. Kingsley




 
© Copyright - Mariely Abreu - Design e Codificação - Todos os direitos reservados Voltar ao Topo!